Séries

13 motivos para você assistir #13ReasonsWhy

19:56:00

Olá pessoas! Tudo bom?

Hoje vamos falar sobre a série linda maravilhosa Thirteen Reasons Why (em português, Os Treze Porquês). A série narra a trajetória de Clay Jensen, um adolescente que recebe uma caixa com treze fitas, que contém em cada uma, um motivo pelo qual a jovem Hannah Baker cometeu suicídio. 

Muito tem sido discutido sobre a série. Tem quem ame (grande maioria, cof), e alguns que não gostam tanto assim da série, que aborda suicídio, estupro, machismo e bullying. Pensando nisso, trouxemos 13 motivos para você assistir 13 Reasons Why!

Ah, não se esquece de curtir nossa FanPage para ficar por dentro de todas as novidades do blog!

1. Aborda temas tabus

Na infância e na adolescência ocorrem altos índices de bullying, principalmente nas escolas. Em 13 Reasons Why não é diferente: Hannah vê sua única amiga mudar-se, e tem que se adaptar a uma nova realidade, uma nova escola e uma nova cidade sozinha. Ela tem fotos suas circulando pelos celulares dos colegas (uma foto super fora do contexto!), é assediada verbal e fisicamente, agredida, violada, estuprada, negligenciada, isolada e violentada. No Brasil, cerca de 20,8% de crianças e adolescentes praticam bullying e 10% sofrem bullying. A série trata todos esses assuntos que são negligenciados pela sociedade de forma detalhada e muito bem construída. Mostra que, um simples apelido, pode causar tão mal à uma pessoa quanto uma agressão física. 


2. É baseado em um livro de mesmo nome

O livro Thirteen Reasons Why foi lançado em 2007, escrito pelo autor Jay Asher. A série é fiel ao livro e faz pequenas adaptações que, ao meu ver, funcionaram de maneira brilhante na TV. No fim do livro, o autor responde algumas perguntas e, entre elas, explica como surgiu a ideia do livro. "Uma parente próxima tentou se suicidar quando tinha a mesma idade que Hannah. Felizmente (e afortunadamente), ela sobreviveu. Ao longo dos anos, nós discutimos os acontecimentos e as emoções que a levaram a tomar essa decisão. Ela nunca conseguia conversar sobre uma circunstância especifica sem contar o que precedera ou o que se seguira à sua decisão. Essa percepção de que tudo afeta tudo, como Hannah diz no livro, me deixou intrigado", Asher conta. 

3. Os personagens não são clichês

Um dos motivos que mais me chamou atenção, foi que os personagens não são óbvios. Justin, o atleta do time de basquete, é magro e não é tão alto. Alex, um dos amigos de Hannah, é super estiloso e sensível, e é filho de um policial. Jéssica, líder de torcida, é morena e tem os cabelos cacheados. Jeff é do time de futebol americano e é um cara super da paz. Bryce, capitão do time de futebol americano, não é lá tão atlético. E por aí vai. A construção dos personagens, tanto física quanto psicologicamente, não é clichê. Tudo aproxima-se muito da realidade, e nada nos remete à aqueles filmes tão óbvios que você já sabe quem é quem.

4. A vibe misteriosa é cativante

Clay demora muito para ouvir as fitas, e enquanto ele não o faz, a narrativa se desenrola com maestria. O toque de mistério de quem fez isso e porque te prendem à tela de um jeito bom, e você fica ansioso para descobrir o próximo motivo pelo qual Hannah cometeu suicídio. A forma que a trama vai se desenrolando também é extremamente intensa, o que torna a série ainda melhor. 

5. A dualidade do tempo

Tony (s2) dirige um Mustang vintage vermelho lindo, ouve fitas no som do veículo e traz uma sensação de algo palpável e imutável. Em contraponto, todo o desenrolar da série se dá com o uso constante de smartphones, notebooks e tablets, o que foi uma grande sacada Netflix, já que o livro foi lançado há 10 anos atrás e muita das tecnologias atuais ainda não existiam. 

6. É engajante 

Depois que a série foi lançada, diversos famosos aderiram à causa #NãoSejaUmPorque, uma causa que luta contra o bullying. Além disso, a série fez os e-mails do CVV (Centro de Valorização da Vida), associação que oferece apoio emocional e aconselhamento contra o suicídio dobrarem, onde em pelo menos 50 e-mails recebidos, pessoas citavam a série. 

7. Trilha Sonora

A trilha sonora segue uma vibe vintage incrível, que conta com músicas desenvolvidas especialmente para a série na voz de Selena Gomez, como hits clássicos de Joy Vision e The Cure, passando por artistas novos, como Billie Eilish. 

8.  Direção

A direção da série também é incrível, e cada um faz seu trabalho de maneira impecável. A direção da série é assinada por nomes como Tom McCarthy (Spotlight: Segredos Revelados), Gregg Araki, Carl Franklin e Jessica Yu.

9. As transições de tempo são ótimas

Eu vi alguns memes falando que só conseguiam diferenciar passado/presente pelo machucado do Clay. Mas o roteiro é muito bem construído e as passagens de tempo são muito perceptíveis, de modo que não confundem o espectador, com espaço/tempo muito bem trabalhados.

10. Selena Gomez na produção

Selena já desempenhava muito bem as funções de atriz e cantora, e como produtora executiva, eu não poderia esperar menos do que algo maravilhoso dela. Selena passou um bom tempo afastada dos holofotes para se tratar de alguns dos temas abordados na série, ou seja: nada melhor do que a produção de alguém que já enfrentou problemas parecidos.


11. Profissionais alheios

Na série, os professores (e até o conselheiro da escola!) tomam ciência das situações que Hannah enfrentava. O que acontece? Nada. Alunos debocham livremente de situações que não são nem de longe cômicas e a escola não adota nenhuma medida em relação a isso. 

12. A busca por justiça

Na série, os pais de Hannah processam a escola pela negligência da mesma. O espectador se envolve tanto com a dor dos pais que dá vontade de contar para eles tudo o que ela passou. A atriz Kate Walsh arrasa no papel de Olivia Baker, mãe de Hannah. Ela busca incansavelmente justiça pela morte da filha. 

13. O final é surpreendente 

Tive que me preparar psicologicamente para o final. A série não é nada óbvia e mesmo assistindo a cada episódio minuciosamente, é impossível sequer imaginar o final. Toda a trama se desenrola de maneira gradual, e o final é como um golpe certeiro. Apesar de fechar muito bem as perguntas deixadas anteriormente, caberia facilmente uma segunda temporada. 

A série 13 Reasons Why encontra-se completa na Netflix. Mesmo que você não possua semelhanças aos dramas dos protagonistas, é impossível ficar de fora da discussão que ronda a série. 
E se você já assistiu, conta pra mim o que achou!

Um beijo, 


Deixe seu comentário!

6 comentários

  1. Então, eu gostei muito da série, mas acho que ela tem seus méritos de deméritos como outras obras de sucesso.

    Mas acima da questão se a série é boa tecnicamente ou não, há ali várias questões que precisamos discutir mais como sociedade, temas assim estarem presentes em obras de grande apelo popular para mim é positivo.

    ResponderExcluir
  2. Olá Nathália :)

    É das melhores séries que assisti neste ano, e até comparando com as que saíram o ano passado. Estamos em Abril mas é para mim uma das séries do ano. Estou ansioso por uma segunda temporada.

    Adorei a forma com o assunto do bullying e como a juventude se trata entre si foi abordado.

    www.pumpum.org

    ResponderExcluir
  3. Eu não assisti a série e sequer li o livro, mas li MUITO dela e to quase uma especialista no assunto.
    Acho o tema super mega importante e relevante e que deve sim ser debatido e comentado entre as pessoas, pois quem passa por esse tipo de sofrimento tem que saber que pode contar com a ajuda de outras pessoas sem ser ridicularizado.
    Amei seu texto e, quem sabe, eu não assista a série? Enfim, parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Assisti a série em dois dias, os episódios curtinhos facilitam que seja possível ver tudo como se fosse um filme (bem longo... rs). Concordo com alguns pontos que você abordou sobre a série, ela tem vários méritos e, polêmica ou não, boa ou não, errada ou não, trouxe luz pra uma discussão que pouco ou quase nada se ouvia falar: o suicídio.
    Uma das razões que não consigo concordar é da '4', eu achei a série enrolada em alguns pontos que não eram necessários e, não sei se pelo fato de Clay demorar a vida para ouvir as fitas ou por problemas de narrativa mesmo, mas algumas partes chegaram a ser quase entediantes...
    Ainda que a série tenha esses pontos positivos, ela pecou em alguns pontos cruciais, que já foram debatidos por vários profissionais da área da saúde. Um dos pontos é que, para uma mente sadia (ou às vezes mesmo para quem passa por problemas), ela pode trazer ótimas perspectivas e uma mensagem sobre ser gentil muito boa, mas, infelizmente, a ideia de auto-ajuda a qual ela foi veiculada falha em vários aspectos, tornando a série até mesmo perigosa para alguns, ainda mais sob a perspectiva de que, no fim das contas, tudo dá errado para Hanna e ninguém é capaz ou percebe que ela precisa de ajuda.
    xoxo

    ResponderExcluir
  5. Muito boas razões para ver esta série! Ando para começar já algum tempo mas ainda não me atrevi. Já li diversas opiniões, mas normalmente sempre positivas e fazem com que comece a querer ver ainda mais!

    Parabéns! :)
    beijinhos,
    https://acordomeuverniz.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  6. é um assunto que demorou a ser abordado... é um assunto muito preocupante para ser considerado tabù com uma geração tão ligada a tecnologia.
    xoxox

    ResponderExcluir

Newsletter

Canal do Jardim