Texto

Você tem medo de quê?!

20:18:00


Na infância, somos instruídos à agir - ou não - segundo nossos medos (ou aquilo que nos assusta). Quando eu me recusava a comer vegetais ou a ir para a cama cedo, ouvia um "se você não fizer isso, o bicho papão vai te buscar". Ou ainda, a fatídica construção no imaginário do tal do homem do saco que levava criancinhas mal criadas. Eu, que sempre me apresentei como uma criança hiperativa, acabava cedendo ao medo de topar por aí com uma dessas figuras macabras.

Crescemos e descobrimos que não é bem assim: o bicho papão não existe, e o homem do saco também não. Topamos então com problemas reais: lidar com estudos, amizades, relacionamentos, família. E lá está o tal do medo: esperando, astuto, o momento de atacar e deixar você - e suas ações! - no piloto automático.

Relutantemente e depois de bater a cara na porta do medo diversas vezes, eu descobri que fugir dele não me faria mais forte, além de que deixá-lo comandar minhas atitudes só me deixava sob um torpor que não agregava nenhum benefício para minha vida. Rodeada de pessoas positivas, acabei buscando extrair experiências e memórias otimistas dos meus medos.

Depois de crescer sob a perspectiva de quem observa relacionamentos fracassados, eu tive medo de me decepcionar - dito e feito. No primeiro relacionamento, experimentei sentimentos tão negativos e vazios que me fechei para o mundo. Acabei, algum tempo depois, descobrindo que nenhum relacionamento é igual ao outro (graças à Deus!), e que eu teria milhares de experiências maravilhosas se soubesse quando abraçar os sentimentos. Assim como confiar: depois de decepções, você fica propenso à imaginar que todas as pessoas vão te magoar. O que não é, nem de longe, verdade.

Com 18 anos, eu tirei minha habilitação. O costume de ter sempre um instrutor ao lado me fez temer dirigir sozinha: na primeira vez que peguei uma rodovia, carreguei um amigo para não me sentir mal - e lá estava, outra vez, mascarando meus medos. Uma semana depois, tomei coragem e dirigi 35km de rodovia sozinha, aproveitando a paisagem e uma boa música. Notei, então, que era muito melhor dirigir só - a sensação de leveza foi libertadora.

Sempre fui a mais nova dos amigos que residiam na minha rua. Constantemente era convidada para assistir à filmes de terror - para não fazer o papel da caçula-medrosa eu sempre ia, e mal conseguia dormir à noite com medo do escuro. Acabei parando de recorrer à lanterna do celular ou do apagador para trazer luz aos olhos quando eu ia ao banheiro ou beber água pela madrugada. Se algo fosse me atingir, atingiria na luz também. Que mal o escuro tinha à me oferecer?

Ah! Eu tenho acrofobia. Em poucas palavras, morro de medo de altura. Depois de choramingar muito o fato de haver diversas coisas aparentemente legais que eu seria imersa à altura excessiva, me joguei de uma tirolesa. Fui na montanha russa e na roda gigante. E óh, tô viva, bem e muito feliz por sinal.

A gente não pensa em acordar um dia e perceber que não é mais amigo do fulano, ou que o beltrano partiu pra outra dimensão tão precocemente. A vida é um ciclo, e por isso estamos constantemente imersos à oportunidades: agarre-as! O amanhã não se sabe. Você já viveu hoje?!

Mas e você, tem medo de que?! Do que você tem medo?! Conta pra mim! Meu processo de enfrentamento dos medos se deu através de longas conversas pacientes...

Yay! Esse texto é uma interação do grupo lindo Café com Blog. As lindas Renata, Bruna, Ane, Kleyde, Luciana e Júlia  também escreveram posts com essa imagem incrível. Corre lá!


Um beijo,


Deixe seu comentário!

20 comentários

  1. Nath que texto mais lindo e delicioso de ler! Comecei achando que você ia só me contar as mazelas que o medo que insistem em incutir-nos quando somos crianças e daí pronto, vem essas palavras inspiradoras terminando com a melhor pergunta que se pode fazer para alguém: 'você já viveu hoje?'.
    Considerando as variações de viver que eu sinto, sim, eu vivi hoje, senti alegria por coisas tão pequenas, mas que tocaram o coração. E escrevi e li e isso é parte do meu viver preferido!
    Sobre os medos... bem, acho que hoje não enfrentei nenhum, mas uma batalha por vez e nem todo dia eu mato dragões por aí.. ehehe
    xoxo

    ResponderExcluir
  2. Teu texto é super real, gosto de ler histórias que nos inspiram a ver a vida com outros olhos e a sua trouxe um pouco disso.
    Acho que medo faz parte, mas quando nos impede de viver temos que assumir as rédeas e dar um basta nele como você mostrou no texto.

    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto Nath! Gostei mt do modo como você colocou que os medos acabam nos impulsionando de algum modo e, nem sempre ter medo é algo ruim. Acho que medo ainda tem um pouquinho de pé no bom senso. Mas, como você colocou os 'medos' vão mudando, a gente vai mudando e isso é lindo! É importante tbm o que vc citou no fim, acho que tem dias que nos prendemos tanto que esquecemos de viver, de ver o quanto devemos aproveitar cada dia. Amei! beijos beijos!

    Metamorphya•••

    ResponderExcluir
  4. Amei o texto Nath, pensei que já era seguidora mas já consertei isso.
    Acho que você mostrou os medos de forma tão real, fiquei aqui imaginando os meus. Aos poucos estou me libertando de alguns, como tenho síndrome de pânico pra mim é um pouquinho complicado.
    Texto reflexivo e muito libertador. bjs
    www.simplesmenteciana.com

    ResponderExcluir
  5. O medo pode existir até o momento em que não atrapalhe a gente, quando começa a interferir nossa vida de forma muito negativa, temos que começar a deixa-lo de lado. Arriscar-se é preciso as vezes! Adorei seu texto! Bjuus!

    ResponderExcluir
  6. Deixar que o medo nos consuma é uma coisa horrível. Você acaba deixando de fazer coisas legais, viver oportunidades únicas por bobeiras. Agora, vou falar, admiro a sua coragem de, mesmo com fobia, pular de uma tirolesa. Eu não teria essa coragem. E olha que nem fobia eu tenho. HAHAHA

    ResponderExcluir
  7. Já tive muito medo, e era pessimo! Adorei o post

    ResponderExcluir
  8. Ants eu tinha medo de tanta coisa! Depois que mudei de cidade surgiu uma coragem fora do comum que nem sei de onde vem! Amei o post demais! Ganhou mais uma seguidora aqui no blog! Beeijos
    www.anneferreirablog.com



    ResponderExcluir
  9. O medo é inevitável em alguns quesitos, mas o importante é conseguir vencê-los, o que não dá é deixar que ele nos vença.

    ResponderExcluir
  10. Que texto lindo você já pensei em sera escritora eu acho tão bonito

    ResponderExcluir
  11. Gostei! Alias gostei muito do seu blog
    Bj

    www.dheiamartins.com.br

    ResponderExcluir
  12. Que texto, nossa, realmente os medos nos perseguem desde pequenos, eu particularmente sou muito medrosa, tenho medo de absolutamente tudo ahahahha, parabéns pelo post

    www.maisumagurianomundo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Simplesmente adorei seu texto e concordo com cada palavra que disse, principalmente quando diz que os nossos medos nem sempre são algo ruim, eles podem nos impulsionar a ser melhores. Adorei muito parabens

    ResponderExcluir
  14. Estou lutando contra uma recente crise de panico que tem me tornado mais proxima de mim. Um ano atrás eu achava que só temia a altura até que entrei em um avião e parei aqui na Finlãndia!
    Quanto mais falarmos dos medos, menos eles tem espaço de existir!
    A Bela, não a Fera | Youtube Channel | Vem conversar comigo no Twitter!

    ResponderExcluir
  15. Olá gostei do seu post
    Estou te seguindo tem como se retribuir

    https://modapink7.blogspot.com.

    ResponderExcluir
  16. Olha,eu tbm tenho medo de um monte de coisas kkkkk,mas percebi que ignorar ou suprimir esses medos não resolvem nada,gostei de como você se desafiou a fazer coisas novas e como isso te ajudou a superar,estou precisando fazer algo do gênero por aqui,obrigada :D
    Beijos ^.^
    littlewonderscrm.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Puxa, Parabéns! Você escreve muito bem e é gostoso de ler. Também fui muito medrosa quando criança. Tomei o cuidado de não amedrontar minha filha com essas lendas. Gostei tanto do texto que vou compartilhar seu post na minha Fan Page. Bj.

    ResponderExcluir
  18. Parabéns por esse texto! Adorei ler e fiquei refletindo sobre quantas vezes deixei de fazer alguma coisa por medo ou por receio. Quantas vezes ergui barreiras como proteção, por achar que se me decepcionei em um relacionamento, então todos seria assim. Mas também descobri que é me jogando de cabeça, sem receio, que vivemos coisas incríveis.

    ResponderExcluir
  19. Gostei muito do post :)

    O meu maior medo é o de cometer os mesmos erros. Ter medo de não ter sucesso. Não atingir objectivos.

    www.pumpum.org

    ResponderExcluir
  20. Gente, que coisa mais libertadora! Eu confesso que morro de medo de balão (o estouro, pra ser específica) e ando procurando meios de lidar melhor com isso para que o medo não me domine. Obrigada por compartilhar essas experiências, é bom pra gente crescer junto ❤ beijão!

    ResponderExcluir

Newsletter

Canal do Jardim