Livro

Resenha: A garota que você deixou pra trás, Jojo Moyes

11:46:00


O livro "A garota de você deixou para trás", da escritora Jojo Moyes, foi lançado no Brasil no ano de 2014 pela editora Intrínseca, c conta com 384 páginas.

Sinopse: Durante a Primeira Guerra Mundial, o jovem pintor francês Édouard Lefèvre é obrigado a se separar de sua esposa, Sophie, para lutar no front. Vivendo com os irmãos e os sobrinhos em sua pequena cidade natal, agora ocupada pelos soldados alemães, Sophie apega-se às lembranças do marido admirando um retrato seu pintado por Édouard. Quando o quadro chama a atenção do novo comandante alemão, Sophie arrisca tudo — a família, a reputação e a vida — na esperança de rever Édouard, agora prisioneiro de guerra. Quase um século depois, na Londres dos anos 2000, a jovem viúva Liv Halston mora sozinha numa moderna casa com paredes de vidro. Ocupando lugar de destaque, um retrato de uma bela jovem, presente do seu marido pouco antes de sua morte prematura, a mantém ligada ao passado. Quando Liv finalmente parece disposta a voltar à vida, um encontro inesperado vai revelar o verdadeiro valor daquela pintura e sua tumultuada trajetória. Ao mergulhar na história da garota do quadro, Liv vê, mais uma vez, sua própria vida virar de cabeça para baixo. Tecido com habilidade, A garota que você deixou para trás alterna momentos tristes e alegres, sem descuidar dos meandros das grandes histórias de amor e da delicadeza dos finais felizes.


Devo dizer que a Jojo me surpreende a cada leitura. A jornalista (s2) aborda em seus livros assuntos diferentes que, particularmente, eu jamais tinha lido antes. Em 'A garota que você deixou para trás' não é diferente. O livro trata da história de duas mulheres através do tempo: Sophie Levrève, que nos anos 1915 era casada com um pintor que a retratou em um quadro maravilhoso, mas que acabou tendo que ir lutar na Primeira Guerra Mundial, e Liv Halston, que nos anos 2000 se vê sozinha após perder o marido prematuramente, ficando somente na companhia de um quadro que fora presente do falecido.
Eu nunca havia ouvido falar na recuperação de objetos de valor afanados nas Guerras Mundiais, e acabei me inteirando ao assunto através do enredo. O assunto é tratado de uma forma tão profunda que revela o conhecimento obtido pela autora para escrever a obra.
As passagens de tempo são maravilhosas, e você vai descobrindo no presente, coisas que aconteceram no passado. A verdade e os acontecimentos vêm à tona de forma leve, prendendo o leitor ao livro de uma forma fantástica.


Confesso que a esperança de Sophie e a teimosia de Liv me irritaram algumas vezes. A convicção da francesa em rever o marido que não tem notícias a meses à leva a fazer coisas impensáveis; e a persistência de Liv à leva a viver sob às margens da incerteza e de possivelmente perder tudo por causa de um quadro.
A forma com que os personagens coadjuvantes são apresentados também é leve; é possível capturar os mesmos sentimentos dos personagens e até mesmo sua forma de pensar. O livro é bem elaborado na descrição e ambientação, e eu gosto muito disso!



O livro aborda perda, esperança, força e convicção naquilo que se almeja. Retrata a pobreza e miséria pela qual a França passou na Primeira Guerra Mundial, como os soldados alemães encaravam seus inimigos, e principalmente: tudo o que é possível (e impossível) de ser feito por aquilo que amamos.
"Nunca conheci a verdadeira felicidade até encontrar você."
Um beijo,


Deixe seu comentário!

0 comentários

Newsletter

Canal do Jardim